Pular para o conteúdo
10 de abril de 2014 / carlostrapp

Tragédias nas estradas brasileiras

Eu, a Simone, e a minha mãe (hoje, dia 10 de abril, a mamãe já está no Paraná, com minha irmã), temos o hábito de levantar cedo e tomar chimarrão. Geralmente, dá tempo para ler a devocional antes do programa Bom dia, Brasil, que começa às 06h30.

No dia 07 de março, ao assistir o programa, nos deparamos com um comentário do Alexandre Garcia, sobre as mortes no trânsito, que ocorreram nos dias de carnaval, que transcrevemos aqui:

“A falta de cuidado e a imprudência se refletiram nas estradas. As estatísticas das rodovias federais e das estaduais de São Paulo são uma pequena amostra do que acontece no Brasil inteiro. Os mortos durante seis dias do feriado de carnaval só nas BR e estradas estaduais de São Paulo são quase 200, em um pouco mais de cem mil quilômetros.

Projetando para o total das federais e estaduais, que somam 1,7 milhão quilômetros, seriam 3,4 mil mortes, durante os seis dias, sem contar o que teria acontecido nas rodovias municipais e nas vias urbanas. Uma matança sem igual nas regiões mais conflagradas do planeta.

Pelos pagamentos de indenizações do DPVAT, são 60 mil mortes por ano – 164 por dia em média. Os Estados Unidos tem o triplo de veículos e metade das mortes no trânsito. O Japão, com o mesmo número de veículos que o Brasil, tem 4,8 mil mortes por ano.

Só nas BR, durante o Carnaval, houve 1.823 feridos. Não se sabe quantos ficarão com sequelas. Pelo DPVAT, no ano passado, 444 mil acidentados ficaram com invalidez permanente – são 1.217 inválidos por dia. A maior parte homens e com menos de 35 anos.
Alguma coisa está muito errada no asfalto brasileiro e na nossa reação. Parece que nos acostumamos com a tragédia.”

Chamo a atenção a comparação que o Alexandre faz do Brasil com os EUA e o Japão. Por que aqui acontecem muito mais acidentes? O Japão, por exemplo, tem o mesmo número de veículos, mas tem apenas 4,8 mil mortes por ano. Por que será? Alguém pode argumentar que as estradas japonesas são melhores, e eu creio que realmente sejam, mas não é apenas isso; tem a ver com nosso comportamento.

Aliás, antes de entrar nesse assunto, tenho que dizer que isso é algo espinhoso, pois grande parte de nosso povo pensa que somos “os bons”. No futebol, na alegria, na espontaneidade, na descontração, e assim por diante. É claro que há virtudes em nosso meio, porém há também coisas muito nocivas, que resultam nos dados desastrosos acima citados.

Qual seria, então, o comportamento que nos leva a esses dados alarmantes?

Bem, nós nos gabamos que somos bons no futebol, ou seja, somos bons de “pernas”. Mas eu pergunto: Será que somos bons de “cabeça”? Quero dizer, gostamos de estudar?

Veja, para estudar você precisa de um ambiente propício, ou seja, o silêncio, a quietude para ouvir e aprender o que o professor diz.
Agora, o que tenho visto nos meus anos de estudo, que muitos, não gostam de estudar, não dão valor ao saber, preferindo gazear a aula e recrear-se. Ora, isso demonstra superficialidade, falta de seriedade, fato que tem muito a ver com os acidentes de trânsito.

Outro fato que chama à atenção, é a irreverência. Reparem a torcida nos estádios, e até nossos parlamentares nas casas de leis, sem falar dos próprios cultos que são cada vez mais estrepitosos, com raras exceções. Ora, nossa mente, para pensar apropriadamente, precisa que o nosso corpo propicie uma situação favorável, que não se encontra numa conduta ruidosa, de fala superficial, cheia de gargalhadas. O Dr. Luiz Ovando costuma dizer: “Muito riso, pouco siso”.

Agora, como eu já disse, a conduta disciplinada, ordeira, propícia, tem inimigos em nosso meio, pois não faltam pessoas que zombam de uma conduta contida e mais séria.

Até a família falha nessa questão, pois muitos já estão indo atrás de políticas nocivas quanto à disciplina, não usando mais a vara em relação aos filhos. Isso faz com que deixem de observar limites, fato que é muito importante no trânsito, para evitar acidentes.
Bem, o que devemos escolher para evitar os resultados nas nossas estradas, que tem a ver com nossa conduta, já sabemos.

Então, vamos resumir o que nos falta: disciplina, amor ao conhecimento, seriedade, domínio próprio, limites, humildade para reconhecer nossos erros.

Sabendo dos nossos problemas e do que nos falta, vamos tentar corrigir isso para reverter esse quadro dramática em nossas estradas.

Aliás, a solução ainda envolve uma visão bem ampla, pois geralmente pensamos que apenas devemos pregar o Evangelho, e que os convertidos devem se comportar bem, e os demais podem agir de qualquer jeito. Digo não para isso, pois todos devem se portar adequadamente.

Pr. Carlos Trapp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: