Pular para o conteúdo
15 de agosto de 2011 / carlostrapp

Sansão, o homem mais forte do mundo

Dr. Venâncio Josiel dos Santos

A palavra Sansão em hebraico significa “Filho do Sol”. Sansão foi um dos mais notáveis juízes de Israel, especialmente por causa de sua força física. Era filho de Manoá, um danita (da tribo de Dã) da região de Zorá. Antes de seu nascimento, um anjo apareceu à sua mãe, e anunciou que ela daria à luz um filho que desde o nascimento seria nazireu e alguém que “tomaria a dianteira em salvar Israel das mãos dos filisteus” (Jz 13.1-5, 24). O voto de nazireu significava que Sansão jamais deveria raspar a cabeça, e quando aparasse o cabelo, devia fazê-lo para honra e glória do Senhor Deus.

Quando estava na idade de casar, Sansão pediu que seus pais conseguissem para ele uma esposa filistéia, da região de Timná. Isto estava dentro dos planos de Deus, visto que este casamento deu a Sansão a oportunidade de lutar contra os filisteus (Jz 13.25-14.4).

A caminho de Timná, Sansão encontrou um jovem e feroz leão, e pela sua imensa força, dada por Deus, Sansão rasgou o leão pelo meio, usando apenas as mãos.

Seguiu depois para Timná, para encontrar a sua noiva (Jz 14.5-7).

Algum tempo depois, Sansão, acompanhado pelos pais, foi a Timná para trazer a sua noiva para casa. No caminho, desviou-se da estrada para ver o cadáver do leão que matara anteriormente, e encontrou dentro dele um enxame de abelhas e também mel.
Sansão comeu um pouco de mel, e juntando-se aos seus pais, ofereceu-lhes também do mel.

No banquete de casamento, fez desse incidente um enigma e o propôs aos 30 padrinhos filisteus. A seqüência dos fatos em torno desse enigma ofereceu a Sansão a oportunidade de matar 30 filisteus em Ascalom (Jz 14.8-19).

Quando o pai da sua noiva a deu para outro homem e não lhe permitiu vê-la, Sansão teve mais uma oportunidade de atuar contra os filisteus. Usando 300 raposas, incendiou o campo de cereais, os vinhedos e os olivais dos filisteus. Os filisteus, enfurecidos, queimaram a noiva de Sansão e o pai dela, porque a perda dos filisteus resultara do tratamento que este dispensara a Sansão. Com este ato, os filisteus deram a Sansão mais um motivo de se vingar deles. Então ele matou muitos filisteus, “empilhando pernas sobre coxas” (Jz 14.20-15.8).

Procurando vingar-se de Sansão, os filisteus foram a Leí, cidade da região de Judá. Três mil homens de Judá convenceram a Sansão, no rochedo de Etã, a se entregar. Os filisteus, exultantes, se prepararam para receber a Sansão como prisioneiro. Mas, o Espírito de Deus se apossou de Sansão e ele quebrou os grilhões (correntes) que o prendiam como se fossem “fios de linha queimados pelo fogo”, de forma que seus grilhões se derreteram em suas mãos. Apanhando uma queixada dum jumento caída por ali, Sansão matou mil filisteus com ela. Depois, sentindo sede, atribuiu essa vitória ao Senhor Deus, agradecendo em oração. Em resposta à sua oração de agradecimento, Deus proveu milagrosamente água de uma pedra para saciar a sede de Sansão (Jz 15.9-19).

Noutra ocasião, Sansão dirigiu-se a um prostíbulo na cidade filistéia de Gaza. Sabendo disso, os filisteus ficaram de emboscada, pretendendo matá-lo pela manhã, quando ele saísse do prostíbulo. Mas, à meia-noite, Sansão levantou-se e arrancou do muro de Gaza o portão da cidade, bem como suas ombreiras e trancas, e carregou-os para cima do monte que fica em Hébron (Jz 16.1-3). Isso foi uma grande humilhação para os filisteus, visto que Sansão deixou Gaza fraca e despro-tegida contra os intrusos.

A ida de Sansão a Gaza, sozinho, demonstrava sua grande coragem e destemor. Tudo o que Sansão fazia era aproveitar as oportunidades de causar dano aos filisteus, assim como já fizera antes, quando procurou uma esposa no meio desse povo inimigo de Israel (Jz 14.4).

Foi depois disso que Sansão conheceu a prostituta Dalila, e dela enamorou-se. E ela, para obter lucro material, procurou saber o segredo da força de Sansão. Três vezes ele lhe deu respostas enganosas. Mas, por causa da persistência dela, e dos carinhos que ela lhe proporcionava na cama, ele finalmente cedeu e lhe revelou o segredo de sua força. Então ela chamou os filisteus, para obter a recompensa e entregá-lo a eles. Enquanto ele dormia sobre os joelhos dela, ela raspou-lhe os cabelos, depois de tê-lo feito beber bastante vinho. Ao acordar, ele já não tinha o Espírito de Deus atuando nele, porque lhe revelara o seu voto de nazireado. Por isso, os filisteus conseguiram dominá-lo, vazaram-lhe os olhos e o levaram prisioneiro para trabalhar na moenda da Penitenciária (Jz 16.4-21).

Enquanto Sansão estava prisioneiro e trabalhando na moenda, os filisteus providenciaram uma grande festa em homenagem ao “deus” Dagom, a quem atribuíam a vitória sobre Sansão. Somente no terraço do templo havia 3.000 filisteus. Os alegres filisteus mandaram trazer Sansão da prisão, para servir-lhes de diversão, e nem perceberam o fato de que o cabelo de Sansão estava novamente crescido. Ao chegar ao templo, Sansão pediu ao garoto que o conduzia para colocá-lo entre as duas colunas de sustentação do edifício, e orou a Deus, pedindo-lhe perdão pelos seus pecados e solicitando que Deus estivesse com ele, pelo menos mais uma vez, para que assim ele pudesse vingar-se dos filisteus por pelos menos um dos seus olhos (Juízes 16.22-28). Então foi atendido por Deus, que lhe deu novamente grande força. Então, ele agarrou-se às duas colunas de sustentação do edifício, fazendo-as desabar, e com elas o templo de Dagom. Isso resultou na sua morte, assim como de todos os filisteus presentes no local. Na sua morte, Sansão matou mais filisteus do que em toda a sua vida.

Depois dessa destruição, seus parentes o enterram no campo entre Zorá e Estaol, na sepultura de Manoá, seu pai. Sansão morreu perdoado por Deus e sendo fiel a ELE, depois de ter sido juiz de Israel por 20 anos. Ele foi o 15º juiz de Israel, a contar de Moisés. Portanto, seu nome consta justificadamente entre os homens que, pela fé, foram feitos poderosos (Jz 15.20; 16.26-31; Hb 11.32-34).

Dr. Venâncio Josiel dos Santos

Publicado no Jornal “O Cidadão Evangélico” na Coluna “Israel e sua História” de agosto de 2011.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: